T-Rex nunca tira férias da segurança.

Nesse período de planejar passeios e viagens, conte com nosso app pra estar sempre tranquila e aproveitar todos os momentos.

Viver tranquila é saber que as pessoas que você ama estão em segurança.

E nesse mês de férias e passeios, a tendência é que jovens queiram fazer seus programas e passem mais tempo longe dos seus olhos.

Uma das maiores questões quando o assunto é celular é a bateria. Quando ela acaba, te deixa cheia de preocupação por não conseguir falar com seu filho, certo?

Além de acompanhar os passos e dar detalhes em tempo real onde a pessoa que você ama está, T-Rex tem um alerta específico de bateria.

Quer aprender a configurar? Veja como é fácil e prático.

Primeiro passo: Abra o T-Rex e selecione a pessoa de quem você gostaria de receber os alertas. Clique no ícone de configurações.

Segundo passo: Ative o alerta “Nível mínimo de bateria” e defina quanto de bateria a pessoa precisa ter para você ser avisado (Ex: 15%). Depois é só clicar em “Salvar”.

Ou clique aqui e assista nosso vídeo sobre como configurar este (e outros) alertas!

Se ainda não tem T-Rex, baixe agora. Basta entrar na Google Play ou App Store, procurar o nome do app e instalar.

Divirta-se como um idoso!

Não só programações com as crianças podem ajudar você a rejuvenescer. Acompanhe seu idoso querido e uma dessas dicas e movimente-se, deixando a vida mais leve.

 

Caminhar juntos no parque
Nem precisamos falar como a atividade física é importante em todas as idades. Caminhar pode ser a desculpa perfeita pra você acompanhar um idoso que você ama e também se exercitar. O contato com a natureza também ajuda a relaxar e faz bem para a mente. Vocês também podem aproveitar para colocar o papo em dia e estreitar ainda mais a relação. Cultivar é a palavra. Corpo, mente e alma.

 

Aula de dança
Já pensou nisso? Dança é diversão, é movimento e o mais importante: joga todo o stress (o grande vilão do mundo moderno) pra fora. Praticar dança pode ser muito benéfico para o idoso, mas a verdade é que faz bem pra todo mundo porque traz o principal: alegria. E juntos pode ser ainda mais interessante. Que tal buscar aulas de dança de salão, jazz ou um bom samba?

 

Jogos
É uma atividade que vocês podem fazer em família. Além da diversão, os jogos estimulam o cérebro, o movimento do corpo e ainda são recursos de aprendizado e trabalho em equipe.

 

Aula de música
Aprender nunca é demais. E nunca é tarde. Desenvolver uma habilidade nova é uma descoberta que sempre traz muito prazer. Aulas de violão, piano, canto ou o que você mais gostar podem ser ótimas formas de terapia e lazer junto com seu idoso querido. Também ajuda no desenvolvimento cerebral e pode melhorar a autoestima. Quer combo melhor?

 

Arte
Se inspirar é essencial em qualquer idade. Teatro, exposições, cinema e tudo relacionado à arte alimenta a gente de novas possibilidades e caminhos. Que tal fazer uma lista com seu acompanhante preferido?

Melhor idade: eles envelhecem bem e você ajuda no processo.

Há algum tempo, a perspectiva da geração de idosos vem mudando para muito melhor. A terceira idade já vem sendo chamada de “melhor idade”, justamente porque deixou de ser vista como um período de reclusão, solidão e, principalmente, paralisação.

Muitos idosos estão definindo uma segunda carreira, novos hobbies e interesses, além de se preocuparem com a saúde e mudarem hábitos para viver mais e melhor. O avançar da idade pode sim representar um mundo de oportunidades.

Você pode ajudar nesse processo, tudo com a maior segurança. T-Rex também é um app perfeito para acompanhar essa geração. De longe, você pode criar alertas de queda, de bateria, de velocidade e, claro, também acompanhar a rotina deles, com muita tranquilidade.

Enquanto T-Rex está perto das pessoas que você ama, vamos entender como estimular uma rotina cada vez mais saudável e descontraída?

Atividade física: para amenizar os primeiros sintomas da velhice, como ossos frágeis e organismo lento, nada melhor do que movimentar o corpo e o sistema cardiovascular. Hidroginástica, caminhadas e pilates são muito recomendados por serem atividades de baixo impacto. Além dos efeitos de longo prazo, as atividades físicas liberam serotonina, o hormônio responsável pelo bem-estar e que pode evitar doenças como a depressão.

Independência: pessoas na terceira idade estão cada vez mais independentes das famílias. Claro que estar longe deles gera preocupação, mas T-Rex pode ajudar muito nesse momento. Com a tranquilidade garantida, você pode e deve estimular viagens com amigos, idas ao cinema, uma descoberta de um novo estudo e, por que não, o recomeço de uma profissão diferente.

Exames preventivos: o idoso de hoje já entendeu que adotar a prevenção ajuda a garantir a boa saúde durante o envelhecimento. Ou seja, ir ao médico não só quando se sente mal. Isso é muito importante e deve ser estimulado porque algumas doenças são silenciosas e assintomáticas. Esse acompanhamento é fundamental para facilitar o tratamento e aumentar muito as chances de cura.

Lembre-se: a saúde mental e a tranquilidade são essenciais para uma vida longa e feliz.

Posso ajudar meu filho a ter mais segurança na escolha profissional?

Não está fácil pra ninguém. A frase máxima bem conhecida neste período turbulento econômico em que vivemos está deixando a escolha profissional muito difícil. Em um momento instável como a adolescência, essa questão se torna ainda mais conflituosa.

São as transformações próprias da idade aliadas à pressão de decidir qual futuro seguir. Mas sim, você pode contribuir ao tentar dar o mínimo de segurança e estimular as reflexões nessa fase. Os pais podem ser excelentes parceiros para encontrar habilidades naturais e interesses, ampliando o autoconhecimento. Mais: estimular a busca de informações sobre as profissões e sobre o mercado de trabalho.

No entanto, é bom ficar atento: a ajuda saudável é a que impulsiona, não toma decisões.

Conselhos práticos

A ideia é se controlar para não colocar suas expectativas no futuro do seu filho e não influenciá-lo a abraçar uma profissão que você sonhou pra ele ou gostaria de ter seguido.

Ajuda muito se demonstrar sempre aberto ao diálogo, perguntando seus interesses, angústias e até dar orientações, mesmo que a orientação seja procurar um especialista profissional, conhecido como coach. Visitar faculdades e conversar com profissionais de áreas que ele vislumbra podem ser ótimas para diminuir as dúvidas e esclarecer muitos pontos.

É claro que ele ainda enfrentará obstáculos. Mas com uma visão mais clara dos fatos e das profissões, a decisão dele pode ser mais segura e saudável, aumentando as chances de ele ser muito feliz com o que escolheu e ajudar outras pessoas a também encontrarem seus caminhos.

Eles também estão inseguros

Para os jovens, atualmente, viver o momento de passagem, da infância à idade adulta, é incerto e complexo. Mais ainda quando o assunto é a realidade em que vivem e a questão da segurança.

Pesquisas apontam que eles têm tanto medo quanto você

Uma pesquisa do IRBEM (Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município) da Rede Nossa São Paulo, indica que 61% da população infanto-juvenil da capital tem receio de se tornar vítima da criminalidade. O medo das crianças e adolescentes se aproxima do índice de 66% da população adulta que também teme assaltos e roubos, segundo números do IRBEM apresentados no início do ano.

Os jovens afirmam ter medo de acontecer alguma coisa a qualquer momento e acreditam que a educação é a única coisa que pode mudar o cenário de violência do país. Um a cada cinco jovens também afirmou ter “medo da polícia”. Entre os entrevistados, 61% disseram ter medo de assalto, 56% da violência em geral, 33% do tráfico de drogas e 21% de “sair à noite”.

Conversar e expor possibilidades pode trazer conforto

Segundo Mário Corso, psicanalista, os jovens encolheram seu mundo por causa da violência. Andam apenas em circuitos conhecidos, arriscam menos, pois os riscos são grandes. Isso traz um empobrecimento, pois eles acabam vivendo apenas entre os iguais e pouco conhecem até do seu próprio bairro.

“Estamos nos acostumando a viver cada vez mais dentro de casa. A rua, antes um lugar de prazer, virou um lugar hostil. É dramático, sobretudo para os jovens, afinal tem menos dinheiro para carros, táxis, ônibus, para ir de um lugar seguro a outro. Perdemos o hábito das grandes caminhadas sem rumo, apenas para explorar a cidade”, afirma o especialista.

É interessante entender que seu filho pode estar tão inseguro quanto você. E provavelmente, por conta disso, está aberto às suas orientações, ferramentas ou qualquer recurso para se sentir mais protegido, sem que para isso seja preciso abrir mão das suas vivências.