Conheça a história por trás da Universidade da Terceira Idade

A Universidade da Terceira Idade e outros Projetos Educacionais para Idosos são cada vez mais comuns na sociedade. Apesar de todo o preconceito em relação à energia e capacidade de ação e aprendizagem de adultos mais velhos, a maioria destes projetos tem sucesso.

Hoje, há diferentes iniciativas no sentido de oferecer programas educacionais para idosos. Centros de Convivência é uma delas. Como já citamos anteriormente aqui no nosso Facebook (https://www.facebook.com/…/a.32343493114…/1111382895681992/…)

A primeira Universidade da Terceira Idade surgiu em 1973, na França. O projeto foi iniciado a partir das Universidades do Tempo Livre, que apareceram neste mesmo país, na década de 1960.

As Universidades do Tempo Livre eram projetos culturais que visavam a ocupar o tempo livre de aposentados. Assim, ajudavam a manter ou melhorar a saúde social destes idosos. Quando o projeto evoluiu para “Universidade da Terceira Idade”, o objetivo passou a ser oferecer a todo e qualquer idoso, sem distinção de renda ou nível educacional, a oportunidade de participar de programas intelectuais, culturais, artísticos, de lazer e/ ou de atividades físicas. Desta maneira, todos poderiam sentir os benefícios da educação para sua saúde e bem-estar.

O histórico comum de muitos idosos que sofriam com solidão, mania por remédios e médicos, isolamento, depressão e outras doenças, fez com que Pierre Vellas, da Universidade de Toulouse, criasse este conceito inovador para a década de 1970. Retirar os idosos do estado de isolamento para proporcionar-lhes saúde e energia a fim de renovar seu interesse pela vida. E também mudar, perante a sociedade, a imagem de pessoas chatas e rabugentas que era comum a grande parte dos idosos.

Já em 1974, a Universidade de Toulouse passou a oferecer um programa regular de cursos que durava o ano todo. Pierre Vellas também conseguiu expandir o projeto com associações e municípios. Desta maneira, foi capaz de criar unidades-satélites em estações de verão e inverno para preencher a lacuna das férias.

Na década de 1980, as Universidades da Terceira Idade, já presentes em grande parte do mundo, foram obrigadas a evoluir. Pois, precisavam atender a um público mais escolarizado. Agora, os adultos mais velhos já queriam de ter acesso a cursos superiores com direito a créditos e diplomas. Assim, a programação da Universidade da Terceira Idade passou a ser baseada em 3 eixos: participação, autonomia e integração.

 

 

Fonte: Portal do Idoso
Foto: Freepik