Conheça a história por trás da Universidade da Terceira Idade

A Universidade da Terceira Idade e outros Projetos Educacionais para Idosos são cada vez mais comuns na sociedade. Apesar de todo o preconceito em relação à energia e capacidade de ação e aprendizagem de adultos mais velhos, a maioria destes projetos tem sucesso.

Hoje, há diferentes iniciativas no sentido de oferecer programas educacionais para idosos. Centros de Convivência é uma delas. Como já citamos anteriormente aqui no nosso Facebook (https://www.facebook.com/…/a.32343493114…/1111382895681992/…)

A primeira Universidade da Terceira Idade surgiu em 1973, na França. O projeto foi iniciado a partir das Universidades do Tempo Livre, que apareceram neste mesmo país, na década de 1960.

As Universidades do Tempo Livre eram projetos culturais que visavam a ocupar o tempo livre de aposentados. Assim, ajudavam a manter ou melhorar a saúde social destes idosos. Quando o projeto evoluiu para “Universidade da Terceira Idade”, o objetivo passou a ser oferecer a todo e qualquer idoso, sem distinção de renda ou nível educacional, a oportunidade de participar de programas intelectuais, culturais, artísticos, de lazer e/ ou de atividades físicas. Desta maneira, todos poderiam sentir os benefícios da educação para sua saúde e bem-estar.

O histórico comum de muitos idosos que sofriam com solidão, mania por remédios e médicos, isolamento, depressão e outras doenças, fez com que Pierre Vellas, da Universidade de Toulouse, criasse este conceito inovador para a década de 1970. Retirar os idosos do estado de isolamento para proporcionar-lhes saúde e energia a fim de renovar seu interesse pela vida. E também mudar, perante a sociedade, a imagem de pessoas chatas e rabugentas que era comum a grande parte dos idosos.

Já em 1974, a Universidade de Toulouse passou a oferecer um programa regular de cursos que durava o ano todo. Pierre Vellas também conseguiu expandir o projeto com associações e municípios. Desta maneira, foi capaz de criar unidades-satélites em estações de verão e inverno para preencher a lacuna das férias.

Na década de 1980, as Universidades da Terceira Idade, já presentes em grande parte do mundo, foram obrigadas a evoluir. Pois, precisavam atender a um público mais escolarizado. Agora, os adultos mais velhos já queriam de ter acesso a cursos superiores com direito a créditos e diplomas. Assim, a programação da Universidade da Terceira Idade passou a ser baseada em 3 eixos: participação, autonomia e integração.

 

 

Fonte: Portal do Idoso
Foto: Freepik

Melhor idade, melhores companhias.

Como aproximar as pessoas de gerações diferentes e garantir uma relação proveitosa para ambos os lados.

Eles têm interesses e rotinas muito distintas. Mas a verdade é que a relação entre idosos e adolescentes pode trazer muitos benefícios e uma nova perspectiva de vida para todos.

Enquanto os idosos podem ganhar mais entusiasmo e vivacidade com a companhia dos jovens, os jovens podem aprender muito com as histórias de vidas dos idosos, inclusive com suas experiências e habilidades profissionais.

Relacionamos algumas dicas de como você pode estimular essa convivência tão rica.

 

– Compartilhar experiências

Eles passaram por tanto: viram guerras, sofreram com a ditadura, viram grandes manifestações. Compartilhar essa sabedoria e conhecimento ajudam os idosos a se sentirem com um propósito renovado, além de aumentar a vitalidade. Os jovens, por sua vez, que nasceram grudados no computador, podem abrir um mundo completamente novo ao entrar em contato com histórias de vida tão diferentes.

 

– Companheirismo

Isso vale para qualquer ser humano: não existe nada mais simples e agradável do que uma boa companhia para levantar o astral de alguém. O interessante aqui é a convivência e troca de universos tão interessantes. Por que não incentivar seu filho adolescente a passar o dia em uma livraria, pescando ou jogando jogos de tabuleiro com um idoso da família? Ou até incentivar o idoso a jogar video-game? Os mais velhos podem também dar aulas de uma matéria ou hobby específico. Ensinar algo sempre nos faz sentir mais úteis. E isso proporciona uma levantada na autoestima.

 

– Tolerância e um entendimento maior sobre o próprio futuro

Já é comprovado pela psicologia que a convivência com os mais velhos pode trazer uma maior aceitação das diferenças: de cultura, pensamento etc. Mais que isso, traz também uma maior valorização da saúde e da própria vida.

 

A amizade entre pessoas dessas gerações pode ser complementar. Enquanto o jovem se torna um ser humano mais compreensivo, ao aceitar a condição e limitações dos mais velhos, os idosos podem ser estimulados a novos desafios e objetivos na vida.

 

– Trocas

Um caminho de aproximação pode surgir no momento em que uma pessoa com menos idade se predispõe a trocar conhecimentos com o idoso.

A tecnologia é um bom meio para aproximá-los. Os mais velhos estão cada vez mais interessados em aprender a usar a internet, tirar e enviar fotos, mandar mensagens pelo whatsapp. Uma geração se alimenta e evolui com a outra. Essa é a graça da vida: aprender com as diferenças.

Lembra daquela Copa?

Ative a memória do idoso que você ama com dicas simples.

 

A Copa está chegando e, com ela, muitas possibilidades de diversão. Inclusive para os idosos.

 

Sabemos que, com o tempo, nossa capacidade cognitiva e de memorização vão diminuindo por vários fatores. É aí que aparecem as doenças ligadas à perda de memória – sendo o Alzheimer a mais grave delas, que causam receio em toda a família. Essa preocupação é válida. Afinal, a perda de memória limita muito a independência do idoso.

 

Para retardar esse processo e manter a mente em boa forma, podemos incluir na rotina dele exercícios que estimulam o poder de concentração e de foco, ativando a memória. E o melhor: esses exercícios podem ser feitos de forma superdivertida, antes e durante o Mundial, e até na companhia de adolescentes.

 

Tentar adivinhar o nome dos jogadores pode ser uma brincadeira interessante durante os jogos. Aproveite que seu filho deve saber o nome de todos e promova um desafio familiar, envolvendo os idosos. Estabeleça momentos de aprendizado durante a semana para que vocês possam brincar durante as partidas e ele se prepare sem saber que está fazendo um exercício potente para o cérebro.

 

O tão famoso álbum de figurinhas também pode ser uma atividade muito saudável. Enquanto a família toda se envolve, você pode fazer perguntas e incentivar a colagem nos locais corretos. Funciona quase como um jogo da memória e pode atrair muito seus queridos.

 

É importante dizer que, paralelamente a essas atividades, é fundamental a conexão das relações afetivas. Esteja perto. Essa é a prevenção mais efetiva e poderosa em qualquer idade.

Coisa de vovó?

Como aprender tricô se tornou uma atividade cool, conquistando até adolescentes.

 

Para muita gente, tricotar é coisa de vó, mas a verdade é que fios e agulhas unem meninas, mulheres e senhoras apaixonadas por essa técnica que há um tempo virou moda e segue firme e forte na preferência dos hobbies. Em muitos casos, virou até trabalho.

Que tal aproveitar a chegada do outono e a proximidade do inverno para aprender a tricotar e quem sabe até ganhar dinheiro – ou no mínimo cachecóis, casacos e golas lindos feitos por você? E mais, é a atividade perfeita para unir as pessoas da família de qualquer idade.

Como se não bastasse, a atividade faz tão bem para a mente que algumas terapias até adotaram o tricô como exercício complementar de recuperação. Tricotar exercita a agilidade do cérebro, ao mesmo tempo que melhora a estabilidade emocional.

Quer conhecer alguns dos benefícios?

Reduz a ansiedade: isso acontece porque precisamos de muita concentração para fazer cada pontinho. Enquanto estamos lá, olhando para as agulhas, sem perceber tranquilizamos as emoções e neutralizamos sentimentos negativos. É quase o mesmo efeito da meditação.

Melhora a agilidade do cérebro: claro, qualquer atividade que requer coordenação mental e motora potencializa a atividade cerebral. Esse fato faz com que a técnica seja especialmente poderosa para pessoas mais idosas, pessoas com artrite ou reumatismo e para crianças com distúrbios motores.

Sociabilidade sem nó: como é uma ótima atividade em grupo, o tricô reúne grupos de prática e ajuda a trocar ideias e compartilhar experiências com outras pessoas.

Auto estima: toda nova habilidade faz a gente se sentir mais capaz. Além disso, o tricô é uma maneira de manifestar carinho, quando feito para amigos e familiares. É um meio para criar algo lindo, criativo e autoral. Pesquisas mostram que o tricô ajudou a melhorar os sintomas de muitas pessoas com depressão. Isso porque sua prática também libera serotonina.

Já comprou as agulhas? Que tal convidar seus filhos e idosos queridos para um grupo e produzir peças lindas para o outono?

Divirta-se como um idoso!

Não só programações com as crianças podem ajudar você a rejuvenescer. Acompanhe seu idoso querido e uma dessas dicas e movimente-se, deixando a vida mais leve.

 

Caminhar juntos no parque
Nem precisamos falar como a atividade física é importante em todas as idades. Caminhar pode ser a desculpa perfeita pra você acompanhar um idoso que você ama e também se exercitar. O contato com a natureza também ajuda a relaxar e faz bem para a mente. Vocês também podem aproveitar para colocar o papo em dia e estreitar ainda mais a relação. Cultivar é a palavra. Corpo, mente e alma.

 

Aula de dança
Já pensou nisso? Dança é diversão, é movimento e o mais importante: joga todo o stress (o grande vilão do mundo moderno) pra fora. Praticar dança pode ser muito benéfico para o idoso, mas a verdade é que faz bem pra todo mundo porque traz o principal: alegria. E juntos pode ser ainda mais interessante. Que tal buscar aulas de dança de salão, jazz ou um bom samba?

 

Jogos
É uma atividade que vocês podem fazer em família. Além da diversão, os jogos estimulam o cérebro, o movimento do corpo e ainda são recursos de aprendizado e trabalho em equipe.

 

Aula de música
Aprender nunca é demais. E nunca é tarde. Desenvolver uma habilidade nova é uma descoberta que sempre traz muito prazer. Aulas de violão, piano, canto ou o que você mais gostar podem ser ótimas formas de terapia e lazer junto com seu idoso querido. Também ajuda no desenvolvimento cerebral e pode melhorar a autoestima. Quer combo melhor?

 

Arte
Se inspirar é essencial em qualquer idade. Teatro, exposições, cinema e tudo relacionado à arte alimenta a gente de novas possibilidades e caminhos. Que tal fazer uma lista com seu acompanhante preferido?

Segurança começa em casa.

Dicas de como deixar a casa muito mais preparada para os idosos que você ama.

Não é só a idade que muda. Quando ficamos mais velhos, obviamente nosso corpo e cabeça passam por muitas transformações. Reflexos, equilíbrio e força dos ossos já não respondem da mesma forma. E aí, coisas simples como levantar da cama ou passar entre uma mesa e um sofá podem se tornar problemas frequentes.

Na rua, temos que ter cuidado redobrado com nossos idosos. Mas, em casa, alguns hábitos valiosos podem ser incorporados no dia a dia e facilitar muito a vida deles. Mesmo que eles morem sozinhos, você pode ajudar nessa questão com atitudes muito simples.

Preste atenção nos tapetes: Evite onde for possível. Como o caminhar do idoso é difícil e lento, os tapetes criam desníveis que podem dificultar a troca de passo. Além do pior: são escorregadios na maioria dos pisos. Se for essencial, prefira os antiderrapantes ou cole a parte de baixo com fita adesiva dupla face no chão.

Tire as escadas do caminho: se o idoso dorme em um quarto no piso superior, considere a ideia de adaptar os ambientes da parte de baixo. Se for impossível, opte por rampas ou barras de apoio.

Barras que seguram o perigo: falando em barras de apoio, elas são essenciais. Instale nos banheiros, portas de entrada, ao lado da cama para facilitar o levantar. O desequilíbrio é frequente e essa é uma ajuda simples e efetiva.

Não derrape: pisos antiderrapantes onde tem água – e sabão – evitam muitos acidentes. Principalmente nos banheiros, mas considere também cozinha e lavanderia.

Móveis amigos e caminho livre: cama, sofás, vaso sanitário e outros objetos que o idoso usa para suas atividades precisam ter uma altura confortável, que facilita o levantar/sentar/deitar. Esses ajustes geralmente são muito simples e é uma atenção que vale muito pelo conforto e segurança deles. Ah, e quanto menos objetos estiverem no caminho, melhor.

Iluminação: interruptores próximos da cama, das portas e sofás. Um abajur no criado-mudo também é uma ajudinha. Assim, se precisarem levantar no meio da noite, a luz vai evitar tropeços.

Ajudando a memória: a memória é uma das primeiras a falhar quando envelhecemos. Somando isso ao fato de que os idosos tomam muitos remédios, pode causar uma confusão total. Vamos ajudar? Etiquete as caixas, agrupe os medicamentos por horário, desenhe lua e sol por exemplo para facilitar a compreensão imagética sobre qual remédio se toma de noite e qual de manhã.

Ser idoso pode ser fácil e divertido com a sua ajuda. E, claro, muito mais seguro. Proteja quem você ama.

 

Já baixou o app T.Rex para acompanhar seus idosos queridos? Clique aqui.

Melhor idade: eles envelhecem bem e você ajuda no processo.

Há algum tempo, a perspectiva da geração de idosos vem mudando para muito melhor. A terceira idade já vem sendo chamada de “melhor idade”, justamente porque deixou de ser vista como um período de reclusão, solidão e, principalmente, paralisação.

Muitos idosos estão definindo uma segunda carreira, novos hobbies e interesses, além de se preocuparem com a saúde e mudarem hábitos para viver mais e melhor. O avançar da idade pode sim representar um mundo de oportunidades.

Você pode ajudar nesse processo, tudo com a maior segurança. T-Rex também é um app perfeito para acompanhar essa geração. De longe, você pode criar alertas de queda, de bateria, de velocidade e, claro, também acompanhar a rotina deles, com muita tranquilidade.

Enquanto T-Rex está perto das pessoas que você ama, vamos entender como estimular uma rotina cada vez mais saudável e descontraída?

Atividade física: para amenizar os primeiros sintomas da velhice, como ossos frágeis e organismo lento, nada melhor do que movimentar o corpo e o sistema cardiovascular. Hidroginástica, caminhadas e pilates são muito recomendados por serem atividades de baixo impacto. Além dos efeitos de longo prazo, as atividades físicas liberam serotonina, o hormônio responsável pelo bem-estar e que pode evitar doenças como a depressão.

Independência: pessoas na terceira idade estão cada vez mais independentes das famílias. Claro que estar longe deles gera preocupação, mas T-Rex pode ajudar muito nesse momento. Com a tranquilidade garantida, você pode e deve estimular viagens com amigos, idas ao cinema, uma descoberta de um novo estudo e, por que não, o recomeço de uma profissão diferente.

Exames preventivos: o idoso de hoje já entendeu que adotar a prevenção ajuda a garantir a boa saúde durante o envelhecimento. Ou seja, ir ao médico não só quando se sente mal. Isso é muito importante e deve ser estimulado porque algumas doenças são silenciosas e assintomáticas. Esse acompanhamento é fundamental para facilitar o tratamento e aumentar muito as chances de cura.

Lembre-se: a saúde mental e a tranquilidade são essenciais para uma vida longa e feliz.